Veja em quais situações eu recomendo fazer um empréstimo

Num mercado de trabalho cada dia mais competitivo em uma economia tão instável como a brasileira, estamos sempre sendo testadas nas decisões de consumo, dos projetos pessoais e familiares e, principalmente, dos investimentos na carreira ou um negócio próprio.

Precisamos estar preparadas para marcar presença no mundo corporativo, investindo na imagem pessoal e na tecnologia, e nos diferenciar profissionalmente, investindo em qualificação.

E ainda temos nossos projetos pessoais: um imóvel, um veículo novo, a viagem dos sonhos ou investir no conforto de todos os dias quando voltamos para casa.

E ainda vivemos o fantasma do desemprego que chegou a quase 14 milhões em março de 2018 e é maior entre as mulheres.

Sabemos da importância de um controle forte das finanças. Porém, na correria de trabalho, deslocamentos, tantos papeis sociais e problemas, quantas vezes a questão financeira fica para ver depois e de repente encontramos grandes problemas, não é mesmo?

Você está com um desses problemas?

Então continue lendo este artigo e veja em quais situações eu recomendo fazer um empréstimo.

Mas antes de começar: quando não fazer um empréstimo?

Existem situações onde um empréstimo pode não resolver e ainda criar outro problema, e muitas pessoas recorrem por falta de informação.

  • Para pagar despesas mensais. Exceto se for uma situação pontual – neste mês você precisou usar sua renda para um imprevisto – é uma situação que deve ser evitada, pois as despesas voltarão no mês seguinte. O ideal é renegociar o vencimento ou parcelar com o credor – algumas concessionárias já fazem isso.
  • Para viagens, imóveis e veículos. Neste caso você pode avaliar um financiamento direto do fornecedor, que sempre terá taxas de juros menores (ou sem juros).

1. Pense no empréstimo: saldo de cartão de crédito

O custo financeiro de rolagem do saldo do cartão de crédito (pagar o mínimo) é o maior do mercado financeiro. Chegamos a impressionantes 243% ao ano em março de 2018.

É um custo que dificilmente um controle de orçamento consegue suportar. Então a melhor opção é pegar um empréstimo e quitar o saldo devedor, porque as taxas dele sempre são menores – especialmente dos empréstimos online.

Uma dica importante: controle de perto do uso do cartão – especialmente se houver dependentes – e verifique as próximas despesas e se elas se encaixam nas rendas dos próximos meses, e caso haja algum risco neles – valores altos – recomendo pegar um empréstimo maior para quita-las antecipadamente.

Outra dica importante: considere os juros até o próximo vencimento do cartão para definir o valor do empréstimo e pague assim que tiver o valor liberado, desta forma os juros do cartão serão menores.

2. Pense no empréstimo: cheque especial

Os juros do limite do cheque especial são os segundos em volume, perdendo apenas para os cartões de crédito. E variam entre os bancos de 20% a 526% ao ano.

A notícia ruim é que a portabilidade de conta corrente não vai ajudar, os maiores bancos estão no topo da lista e sabemos que a rede bancária faz muita diferença no dia a dia.

A boa notícia é que um empréstimo pessoal tem juros bem menores que os pagos no cheque especial e você pode pesquisar entre muitas opções disponíveis, presenciais e online, em sites especializados.

Uma dica importante: controle de perto para que o limite não seja usado novamente.

3. Pense no empréstimo: empreender com capital de terceiros.

E quando temos aquela ideia maravilhosa, talento, clientes prontas para serem atendidas, falta o capital mas você já fez as contas: a prestação cabe no faturamento?

Existem várias opções no mercado para PME (Pequenas e Médias Empresas) e MEI (Micro Empreendedor Individual).

É importante fazer uma pesquisa minuciosa para buscar a melhor opção.

Uma dica importante: você deve ter o fundo de reserva, que serve para todos os imprevistos enquanto o negócio não dá o retorno esperado e pague sozinho as despesas – incluindo a prestação do empréstimo. Monte um plano de negócios claro a respeito.

4. Pense no empréstimo: troca de dívida

É sempre importante avaliar as opções do mercado para uma possível troca de dívida: quitar uma dívida cara com uma mais em conta.

Neste ponto, os empréstimos online são um diferencial em dois pontos: você pode solicitar e receber mais rapidamente e eles tem uma taxa de juros menor que o mercado presencial.

Trocar dívidas dá trabalho, mas se for bem usado, qualquer boa notícia na economia pode aliviar suas finanças.

Uma coisa que falamos neste artigo e serve como regra: pesquise bastante as opções. E recomendo uma atenção especial aos empréstimos online, como a Lendico – que tem ótimas taxas – e surgem como uma alternativa rápida, segura e com custo menor para você empreender ou resolver um grande problema com mais tranquilidade.

Recomendo ler este artigo do Blog Bons Investimentos, do Ricardo Cid e do Haroldo Cid, com um comparativo das taxas praticadas pelas melhores empresas.

E não deixe que suas finanças te derrubem do salto!

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *